Maripá: 1ª Passeata marca evento de conscientização pelo fim da violência contra a mulher

Em um momento histórico para Maripá, cerca de 300 mulheres participaram do encontro.

0
40

Centenas de mulheres maripaenses se reuniram neste sábado (30), na Praça das Orquídeas, para falar sobre um tema que, segundo o IBGE, atinge cerca de 1,2 milhão de mulheres no Brasil: a violência. Em um momento histórico para Maripá, cerca de 300 mulheres participaram do encontro, que contou com a 1ª Passeata pelo Fim da Violência Contra a Mulher, além de oficinas de zumba, yoga, dança do ventre e slack line, apresentações artísticas e roda de conversa com advogada, psicóloga e assistente social.

O evento leva o nome do programa Maripá Vigilante, prevenindo as violências e apoiando a paz, instituído em 2013, que atua junto à população a fim de erradicar as violências. “Mesmo sendo um município com poucos registros de casos de violência, não podemos admitir nenhuma forma dela, nem contra mulheres, crianças, idosos ou pessoas com deficiência. O programa Maripá Vigilante tem atuado fortemente neste sentido e já recebeu premiação pelo trabalho que desempenha em nosso município, o que demonstra a sua eficiência e importância para melhorar a qualidade de vida da nossa população”, afirma o prefeito Anderson Bento Maria.

Segundo a secretária de Saúde, Andréia Bento Maria Scudeller, além de preparar as equipes para receber as mulheres e demais população em situação de violência, que precisam de atendimento e orientações, o programa busca incentivá-las a denunciar os agressores. “Os números são ainda maiores, levando em conta que muitas delas não denunciam seus agressores, mas é importante a divulgação de que existem uma série de canais e meios de denúncia que estão disponíveis em toda a rede de atendimento para acolher e orientar todos os casos de violência”, destaca a secretária.

Em parceria com a Secretaria do Trabalho e Assistência Social, também esteve presente o Ônibus Lilás do Governo do Estado, uma unidade móvel de atendimento itinerante à mulher em situação de violência, com atendimento para orientações.

ONDE BUSCAR AJUDA?

Nos postos de saúde, Clínica de Saúde da Família e Pronto Atendimento de Maripá. As equipes estão preparadas para atender cada mulher, com ética e segurança.

Na Delegacia de Polícia Civil de Palotina, onde uma estagiária de Direito ouve e faz o registro de seu caso.

No Ministério Público de Palotina com atendimento todas as quintas-feiras das 12h30 às 17h.

Na Delegacia de Atendimento à Mulher em Toledo, que conta com uma delegada e toda uma equipe para atender o caso.

No Disque 180, que é um canal federal que vai ouvir, registrar e encaminhar para a rede de atendimento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, informe seu comentário
Por favor, informe seu nome aqui